12.11.08

Histórias reais


No tempo inicial contaram-nos histórias com final feliz,
contos residentes em castelos
nos que a princesa -sempre linda, sempre tenra-
aguardava triste ao seu príncipe azul
e ele chegava, augurava paraísos e batalhas
e, sem lascívia, olhava um tempo de extinção carmim
no que até as mais rápidas perdizes
ofereciam gostoso sacrifício
pela existência possível do impossível,
do nunca jamais e para sempre,
por sempre, sempre, sempre, sempre jamais.
Acreditamos, medramos com a ideia
de ser príncipes, princesas,
rematar no dia prévio e herdar palácios
e nunca perguntamos onde estavam agachados
o castelo e o príncipe da mãe
e por que, algumas noites se escutava
um pranto ténue
que provinha da câmara real.

Iolanda Aldrei

4 comentários:

Anita Silva disse...

Um Beijo Real, Princesa Iolanda.
:)*

Iolanda Aldrei disse...

Beijo, Minha Senhora da Ilha...
Obrigada sempre pelo seu porto aberto.

soantes disse...

Princípio e fim nessa tapeçaria de versos. Gostei muito de ver pela Ilha...

Iolanda Aldrei disse...

Sempre é gosto encontrar ilhas como esta.
Um abraço