20.11.08


sem um cais ou ancoradouro
o imprevisível chama
alucina o coração de quem ama
torna o mundo uma abertura para além

e derrama uma luz de não ter sido
sobre as coisas exaustas

3 comentários:

Corpos que Soñan disse...

Lindísimo poema. Chegoume á alma: é como se dixeras algo acontecido en mín. Mas é que acontece en todos os que aman!! Só se precisa sensibilidade para captar. E para o expresar, muito talento.

Parabéns.

Iolanda Aldrei disse...

Vaia... pois isso ia comentar! O dito... para além do poema relativo à imagem. Grande poema!

Paulo Feitais disse...

Caríssimos, que bem que me sabem os vossos comentários... :)
Saudações poéticas!