4.1.09

manto de claridade


(uma foto tirada hoje)


não acontecido
agora em amplexo no aberto
tudo o que aflora do dentro
florescência e aparição
vindo da alvura que há no sem começo
a dança alada contemplação
graça de ter na fronte o chamamento das estrelas
sangue fátuo que rubifica a noite e lhe dá mil sendeiros
para a marcha de dentro até ao que não vem
quem o alcança
se não for criança?

3 comentários:

soantes disse...

Bela foto, com a coloração adequada e meio difusa apesar da muita luz, ou por via dela.

saudadesdofuturo disse...

Entro na ilha por um mar claro, luminoso, uno.
Entro na ilha devagar, silenciosamente.
Vejo os cristais do mar. Oiço os sons do vento
E do lamento não me lembro. Entro pela claridade
Que paisagem para os olhos o sossego desse mar!
Dir-se-ia um céu, tal a leveza das ondas
Dir-se-ia um mar celeste
Imaginado numa mente assim
Luminosa fronte de espuma e bem.

Lavada nesse mar
Talvez eu possa renascer em serena expressão
Em consolo de ser este o mar
De Paulo. O seu imenso mar.
A suave claridade do seu a.mar
E da minha admiração.

Um abraço, Paulo. Um até breve, Anita.

Anita Silva disse...

Até já, querida Amiga.