3.2.09

Proposta Emergente

«Todo o Império [como toda a Nação...] que não é baseado no Império Espiritual é uma Morte de pé, um Cadáver mandando.
Só pode realizar utilmente o Império Espiritual a nação que for pequena, e em quem, portanto, nenhuma tentativa de absorção territorial pode nascer (...)
Criando uma civilização espiritual própria, subjugaremos todos os povos; porque contra as artes e as forças do espírito não há resistência possível, sobretudo quando elas sejam bem organizadas, fortificadas por almas e generais do Espírito.
(...)
É preciso criar um organismo cultural capaz de substituir o Estado nestas funções. Escusa de ter aspecto de potência adentro da Pátria: basta que tenha a precisa noção superior dos seus fins.
Deve essa organização visar três fins: (1) a criação de uma atitude cultural nas classes médias* (...); (2) a criação de uma propaganda ordenada e científica de Portugal no estrangeiro; (3) a criação (...) de uma atitude donde derive uma noção de Portugal como pessoa espiritual.

(...) [Juntos construamos] a primeira Nau que parte para as Índias Espirituais buscando-lhes o Caminho Marítimo através dos nevoeiros da alma, que os desvios, erros, e atrasos da actual civilização lhe ergueram.»
Fernando Pessoa

*todas as classes.

As mudanças de fundo necessárias apenas podem acontecer através de um despertar de cada um para um Fim comum a todos. O Fim que, em realidade, todos partilhamos desde sempre, o único que o homem pode querer almejar:
o Porto do Espírito, a Terra do Amor.

3 comentários:

Anita Silva disse...

Esta vida fingida está a tornar-se-me insuportável.

Não há saída alguma fora de nós.

Quando nos levantamos da cadeira?
De verdade, de modo inte(r)ligente,
quando nos levantamos Nós da cadeira?...

Vergilio Torres disse...

Lá fora, quando tento espreitar, chove.
E o Sol?
Que importa...
Lá fora, se se insiste,
lá fora não existe.

sorriso :)

Anita Silva disse...

Não há fora nem dentro. :P
Há. Ou estará para haver...
*