30.12.08

embarcação




embarco-me
e embalo-me na perdição
na curvatura do espaço rumável
encontro os fins e as trevas de dentro
são límpidas e abruptas
corolas de pétalas ausentes
no vento rasgam-se e incompletam-se
mergulho
no fundo não há o que desespera
só imenso e abismo
e o regresso é uma praia solta no azul

1 comentário:

soantes disse...

corolas de pétalas ausentes...
uma praia solta no azul