31.1.09

Toda a vida é além-vida: é imortal

«Na nova poesia portuguesa todo o amor é além-amor, como toda a Natureza é além-Natureza.»
Fernando Pessoa, A Nova Poesia Portuguesa

Sendo o mundo físico, o corpo e a vida elementos representativos do amor e da Natureza...

Toda a física é além-física: é metafísica.
Todo o corpo é além-corpo: é alma.

E só assim se pode entender inteiramente o homem, como corpo que (se) pensa e que (se) fala: como corpo espiritual.

2 comentários:

soantes disse...

É exactamente isso. Um beijo, por exemplo, são duas almas que se tocam e se trocam. O nosso corpo nunca anda por si só.

Anita Silva disse...

:) é, a propósito disso, de: "O nosso corpo nunca anda por si só", deixo aqui um pouco deAntero de Quental:
«A força não é a substância: é igual a si mesma em quantidade, sim, mas com a condição de mudar continuamente de forma, e de momento, de ser continuamente fenómeno (...)
A Realidade, se é alguma coisa, é-o com a condição de não ter em si mesma a sua própria substância, porque a sua ideia, pressupondo necessariamente a da substância, é ao mesmo tempo a antítese dela, e se a afirma é excluindo-a. A existência da Realidade, como tal, é pois uma existência incompleta, a si mesma insuficiente, efectiva só por si, mas absolutamente aparente, uma existência que só fundida com a sua mesma negação poderia ser plenamente.»
Antero de Quental, "Filosofia"