8.4.09

Chega de Saudade, Amor!


Saudade,

por Ti despertámos
a Luz da Memória
do Nosso Coração.
Mas chega a Hora
de nasceres
de Ti própria.
De Te chamarem
pelo Teu Nome,

Amor.

Pois o Teu Ver-bo,
Vênus,
Deusa do Amor,
não pode Ser
senão... (o) A-mar!



Vênus, em Português do Brasil, Vê-Nos, ou, Vê-Nus.


O Amor
não vê palavras,
apenas Seres:
por só Eles
poderem ser Amados.


Por isso que,
quando o Amor (se) pensa,
volta a ser o que já era
antes de se pensar
- Ausência:
mas quando o Amor pensa
no Outro,
É o Outro
- Presença.
Como pode, então,
o Amor não
ter Saudade de
Si: do Outro,
de Ser Amor!
A Saudade é a Ausência Presente;
o Amor a Presença Real.
O Amor é o Dia
da Noite da Saudade.
É o Amor que É a Saudade.

Amor, Só o que Somos.

2 comentários:

Sereia* disse...

Querida Anita,

Vim ler este post de Saudade e de Amor. Vim encher o peito, abrir os olhos e senti-los sorrir por uma vez.

Não há Amor que me chegue nem Saudade que me deixe. Gosto de um e de outro. Sinto os dois.

gostei muito muito muito deste post! Na verdade, foi a melhor coisa que li hoje.

Obrigada pelo momento*

Anita Silva disse...

:))
Na Essência, serão uma e a mesma coisa...

Não sou capaz de os distinguir.