4.4.09

moro-te




2 comentários:

Anita Silva disse...

«Moro-te»
Isso é que é Amor! ;)

Paulo Feitais disse...

Um palimpsesto urbano, a poiésis nas margens da vida que levamos (ou que nos leva...).
Amar é uma forma estranha, entranhada e talvez funesta, de habitar.

:)